O ritmo de aberturas na capital não para. Nas linhas seguintes, descubra o que há para saber sobre os três mais recentes asiáticos da capital que se juntam ao espaço que marca o regresso de Ana Moura à cozinha e ao projeto mais ambicioso de Ljubomir Stanisic.

Rei da China
Rua Nova da Trindade, 13. Chiado, Lisboa
Aberto de terça-feira a domingo, do 12h30 às 22h30.

Enquanto abria um restaurante na Ásia, José Avillez preparava, ao mesmo tempo, a abertura do seu primeiro restaurante asiático em Lisboa, em parceria com o chefe argentino Estanislao Carenzo. Rei da China, assim se chama, é um espaço que celebra a  street food da Ásia, com opções de comida rápida que combinam sabores asiáticos e nacionais. Destaque para as Super Sopas como o ramen de porco e o DanDan Mian, um caldo de cogumelos com massa de trigo caseira, molho de amendoim, feijão-verde e azeite, as sanduíches vietnamitas e os petiscos como os bolinhos de bacalhau à tailandesa ou a salada japonesa de grelos.

Foto: Grupo José Avillez

Casa dos Prazeres
Rua Nova da Trindade, 13. Chiado, Lisboa.
Aberto de terça-feira a domingo, das 19h às 02h.
211 342 160

“A Casa dos Prazeres redescobre e recomeça a ligação gastronómica entre Portugal e a Ásia”, começa por explicar Estanis Carenzo, parceiro de Avillez nos dois projetos do português na cozinha asiática. Intimamente e literalmente ligado ao Rei da China — a porta de entrada do restaurante é dentro deste primeiro espaço — a Casa dos Prazeres apresenta um bar, com uma carta de cocktails de autor e outra de saké e ainda um espaço gastronómico que junta os dois países à mesa. Amêijoas à Bulhão Pato de férias no Sudoeste Asiático, com vinho chinês e leitão aromático com vinagre da China, azeite de presunto, malagueta e azeitona galega são alguns dos pratos a provar.

Foto: Grupo José Avillez

Ajitama Ramen Bistro
Avenida Duque de Loulé, 36. Marquês de Pombal, Lisboa.
Aberto de terça a quinta-feira, das 19h30 à 23h30. Sexta e sábado, das 19h30 às 00h.

Os amigos João Ferreira e António Carvalhão partilhavam uma paixão comum pelo ramen, prato pelo qual criaram especial afinidade nas viagens constantes à Ásia. Vai daí, para matar as saudades das tigelas fumegantes de massa com caldo — que defendem como sendo a sua “comfort food” — decidiram abrir um supper club em casa de António. Esses jantares até começaram por ser apenas para famílias e amigos mas  acabaram o ano passado com uma lista de espera de perto de 2 mil pessoas. A ideia para o restaurante começou precisamente aí, com a dupla a retornar ao Japão para “ganhar consistência” e aprender mais sobre ramen junto de Takeshi Koitani, um dos mais respeitados mestres da sua arte.  Assim nasce o Ajtama Ramen Bistro, com uma carta com os já conhecidos Shoyu e Shio e as novidades Veggie, Miso e Hakata Tonkotsu — “o mais complexo”, feito a partir de um caldo à base de porco, ao lume durante 18 horas. “Queremos fazer as receitas o mais fiéis possíveis ao que se come no Japão”, garantem os amigos.

Foto: DR

100 Maneiras
Rua do Teixeira, 39. Bairro Alto, Lisboa.
Aberto todos os dias das 19h às 2h.
910 918 181

Após um longo processo e uma enorme espera, Ljubomir Stanisic abriu o novo 100 Maneiras. Fechou-se a porta do número 35 da Rua do Teixeira e abriu-se a do 39, depois de quatro anos de obras e ideias fervilhantes que resultaram num projeto ambicioso. Numa evolução “natural” daquilo que foi o primeiro 100 Maneiras para Ljubomir, o chefe empresta à carta — composta por três menus de degustação (incluindo um 100% vegetariano) — toda a sua personalidade, numa ode à Jugoslávia e à vida enquanto criança num país em guerra e, também, o amor a Portugal. Da história da casa faz ainda parte a carta de vinhos, com referências internacionais e nacionais, e outra de cocktails, com criações de Jorge Camilo e Daniel Zamith.

100 Maneiras
Rua do Teixeira, 39. Bairro Alto, Lisboa.
Aberto todos os dias das 19h às 02h.
910 918 181

Foto: Fabrice Demoulin/100 Maneiras

Bacalhoaria Moderna
Rua de São Sebastião da Pedreira, 150. Marquês de Pombal, Lisboa.
Aberto de terça-feira a sábado, do 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h.
216 053 208

É o esperado regresso de Ana Moura à cozinha, depois da saída da Cave 23, em 2017. A jovem chefe juntou-se à empresária Susana Almeida e Sousa para fazer nascer a Bacalhoaria Moderna — que, tal como o próprio nome indica, tem no bacalhau o seu protagonista. Motivada pelo que é português, a dupla pretende oferecer todos os sabores lusos com um toque de modernidade, de que é exemplo o prato do fiel amigo com couves-de-Bruxelas,  chalotas e molho de galinha assada, feito a partir das línguas do bacalhau, sem esquecer opções clássicas, como o à Brás. “Queremos ser a referência de um produto nacional de qualidade”, assegura a responsável.

Foto: DR