Static, o novo bar de vinis da capital, com uma carta de petiscos e cocktails da autoria de Shay Ola, está inserido no hotel Esqina Cosmopolitan Lodge, na Rua da Madalena, e é uma das muitas novidades da parceria entre o chefe do Queimado e o hotel lisboeta.

A ideia surgiu ainda no período de confinamento e resultou numa oportunidade de negócio para Shay Ola, chefe e proprietário do restaurante Queimado, no Bairro Alto, a sua parceira Hannah Reusser e ainda Diogo Martinez, Pedro Drummond Borges e José Maria Pereira, sócios do hotel Esqina Cosmopolitan Lodge, que já antes da pandemia cogitavam uma parceria. “Eu já iria criar um conceito para eles e o bar estava ali e sentimos que tínhamos de aproveitá-lo e fazer algo com ele. Inspiramo-nos nos bares audiófilos japoneses e surge o Static, um bar de vinis interativo, em que tu como cliente tens a possibilidade de criar um ambiente porque podes escolher o vinil que queres ouvir e que os outros vão ouvir”, começa por explicar Shay.

Tal como afirma o responsável, o novo Static permite que os clientes escolham o vinil que querem ouvir, entre os vários géneros de música disponíveis ou então que tragam o seu próprio álbum para ouvir no espaço, num momento de partilha entre amigos. “Há algumas record shops onde podemos ouvir vinil em Lisboa mas nada assim. Queremos juntar as pessoas, em segurança.” Além do espaço do bar, logo à entrada do hotel, há ainda uma esplanada e um rooftop para aproveitar a carta de comidas “de influência asiática” e bebidas, ambas criadas pelo chefe. Frango frito com crème fraîche, ovas de peixe e algas nori, ribs e bao burguer com cogumelos Shiitake e molho Hoisin são alguns dos pratos que acompanham cocktails como o The Notorius F.I.G, com mezcal, rum preto, figo e absinto, o Pineapple Cacao Smash com tequila, ananás grelhado e infusão de cacau em vermute e o Pink a Butterfly com gin, pimenta rosa, toranja, “chá azul” e clara de ovo.

E apesar de ter aberto há pouco mais de duas semanas, a 17 de setembro, Shay já tem planos para dinamizar o espaço, com DJ sets semanais e várias colaborações com outros chefes. A primeira acontece já amanhã, dia 7, e é Tiago Lima Cruz (ex- Salgrosso) que vai oferecer algumas das suas criações ao menu de comidas do Static. O plano é todas as quartas-feiras de outubro outros chefes fazerem o mesmo. O chefe garante que este projeto é apenas um dos muitos que terá em parceria com o Esqina.

E como o conceito do hotel já estava fortemente associado às artes, com uma oferta variada de atividades, desde exibições de filmes, workshops diversos, concertos e residências, como forma de apoiar a comunidade artística neste momento sensível, os responsáveis montaram uma exposição e venda de capas de álbuns de vinil, claro está. Foram convidados alguns artistas de diferentes disciplinas (artes visuais, música, fotografia, DJ’s, design de moda, entre outros) a reinterpretar capas de discos de vinil dos mais diferentes artistas musicais. O valor das vendas será revertido na íntegra para o ‘Fundo de Solidariedade com a Cultura’ que apoia a comunidade artística.

Do lado esquerdo, ribs com molho de soja, um clássico já servido no Queimado de Shay. Do lado direito, frango frito com ovas de peixe e algas nori. Fotos: DR