José (nome fictício), boa tarde amigo.

Gostei muito do teu último post. Mas gostava de te deixar uma palavra positiva de conforto, e esperança. Igual nunca mais vai ser! Sim, verdade, mas vai ser diferente e a seguir melhor novamente. Com mais ou menos contato com os teus clientes, equipa, fornecedores, parceiros e ou profissionais. Agora o local vai cuidar do local… e o local cuida do local. Gerar e criar riqueza periférica, distribuição da cadeia de valor. Gerir melhor, foco e dispensar o ruído, mas sim ficar no radar e acertar nos alvos. Definir objectivos.

Custos, receitas, margens, distribuição, comunicação! Cria short-cuts de forma a conseguires passar este momento para o próximo nível do jogo. Acredito em ti e vais conseguir mais uma vez. Restauração e Gastronomia são a alma e cultura de um povo, e nós humanos vamos continuar a consumir e a alimentar-nos três vezes ao dia. Temos de estar mais perto dos que contam connosco e comunicar ao nosso mercado que estamos de volta. Mas a que preço? É atrativo ou competitivo? Com que concorrência? Para que mercado? Onde andam os nossos clientes? Como os vamos contactar? Que ferramentas precisamos? Os processos aperfeiçoam-se, todos os clientes agora mesmo procuram saber o que estamos a fazer, como o vamos fazer? Pode ser que nunca mais seja igual mas melhor ter a oportunidade de voltar e começar do zero com o que aprendemos, do que mandar a toalha ao chão. Não somos assim! A natureza humana é resiliente. Sim tudo se está a transformar e rápido, sim vou ter de me adaptar, sim tenho que descobrir novos caminhos! Mas estamos acompanhados, e estamos todos com o mesmo sentimento, mas bem temos de continuar a construir, ser felizes com o que fazemos, voltar a fazer um esforço para atrair, superar, somos lutadores. Fidelizar mas com bom atendimento, caloroso, genuíno e com bons produtos, casual ou elitista, os comportamentos que todos vamos voltar a sentir, descobrir, conectar-nos com o mundo que aparentemente ficou mais pequeno, mais lento, mais incerto, sem margens para erro. O que aprendemos? O que estamos a aprender? O que estamos dispostos a mudar? Gerir tanta informação, recursos que se tornam inacessíveis, menos clientes, são necessidades ou caprichos? Dar o mesmo serviço ou abrir só quando puderes? Com que horários? O que posso oferecer aos meus clientes? Temos que simplificar, estar na linha da frente e entender a retoma, medir e tomar boas decisões que valorizem os nossos clientes, que acrescentem valor, para que façam parte da nossa história  e nunca tires os olhos do fluxo de caixa, porque é a alma dos negócios. Somos pessoas cheias de talentos e habilidades. Tudo vai voltar a estar bem. Abraços