Lucidez é poder 

A sociedade no séc. XXI é em toda a linha manipulada. Estamos esclarecidos quanto à expansão do universo. Sabemos que o tempo não é mais do que uma consequência do espaço. Sabemos também que um buraco negro se forma quando a massa de uma estrela se esmaga sobre siDesconhecemos, porém, os porquês do quotidiano. Por vivermos numa fase de excesso de informação, lucidez é poder. 

A manipulação dos media por parte do governo chinês existe. É um facto. O plano para o renascimento chinês como potência inabalável até 2049 também. Outro facto. Acredito que em boa medida, direta ou indiretamente, houve interesse na propagação desta epidemia, daí o atraso na divulgação do que se passava realmente em Wuhan. Mas já lá vamos. 

O fantasma de Mao Tsé-Tung

É filho de um dos braços de elite de Mao. Autodenomina-se como um sobrevivente. Teve que denunciar o próprio pai em sessões de autocrítica. Um humilde servo amestrado. De campónio a líder absoluto da República Popular da China. O incontestável comunista – Xi Jinping.  

É um produto, na forma humana, quase perfeito da gigantesca máquina de propaganda chinesa.  

Plano? Qual plano? 

Tinha e tem um plano secreto, que deixou de ser secreto em 2012, quando foi revelado ilegalmente à comunidade internacional. Refiro-me ao conhecido Documento Nº 9.  

Este documento reúne, na visão de Xi, sete das ideias mais perigosas para a China, a saber: liberdade de imprensa, direitos universais do homem e democracia, por exemplo. Resumindo, nós, ocidentais somos a personificação do perigo.  

A subserviência ou a necessidade Europeia?

Pôs em marcha um grande plano que se designa A nova Rota da Seda. A crise da dívida pública na zona Euro foi o momento perfeito para a China, começando, por isso, a comprar infraestruturas estratégicas, como por exemplo, um porto na Grécia e outro em França. Em 2018 a China já controlava 10% da atividade portuária europeia. 

Também Portugal foi um alvo, sem qualquer margem negocial: EDP, Fidelidade, Luz Saúde, BCP, REN, entre outros. 

Em 2016 o Ministro dos negócios estrangeiros alemão falou publicamente sobre a face oculta destes negócios dizendo que não eram mais do que “um plano para moldar o mundo perante os interesses chineses, um plano alternativo ao ocidental que ao contrário deste não se baseava num sistema democrático que preserva os direitos individuais”.  

Um caso que demonstra a subserviência política de forma inequívoca aconteceu em 2018 em que a UE não pôde apresentar o seu relatório anual sobre os Direitos Humanos na China ao conselho de direitos humanos em Genebra porque a Grécia o tinha vetado.  

Macron tentou criar legislação que impedisse a compra de empresas estratégicas por chineses, encontrando com muito espanto, oposição por parte de outros países europeus, esses já totalmente dependentes financeiramente da China, como Portugal.   

O que se passou em Wuhan? 

Entre 1958 e 1962 mais de 45 milhões de chineses morreram de fome. Tudo o que os agricultores produziam era oferecido ao estado, como tal foi permitido o negócio de animais selvagens. Estratégia que resultou. Em 1988 foi estabelecida uma lei que permitia a comercialização de 54 espécies tais como texugos, crocodilos, hamsters, sapos, cobra, urso e centopeias. Só para termos uma ideia de quão rentável pode ser este negócio cada texugo pode valer cerca de 90 euros.  

Em 2002 a China enfrentou um surto (SARS). Teve origem num desses mercados. Foram obrigados a encerrar. Passado pouco tempo e por força de um poderoso lobby político foram reabertos.  

A 30 de Dezembro de 2019, Li Wenliang através do Wechat falou com os amigos do novo surto viral (covid-19), que estava a acontecer em Wuhan. Foi detido em janeiro. Acusado de espalhar rumores as autoridades recomendaram-lhe o silêncio sobre o que estava a acontecer. Morre pouco tempo depois, infetado pelo vírus. 

Toda a crítica ao partido comunista é punida pela lei. A internet e redes sociais são controladas pelo partido. Existe inclusive um sistema de reconhecimento facial nas ruas que possui uma base de dados de cada cidadão. Controlo cruzado também com contas bancárias, redes sociais, cartões de débito, etc. A cada cidadão são atribuídos pontos que vão aumentando ou diminuindo conforme o comportamento deste. Quase como o nosso sistema de carta de condução (!). 

Caro leitor os factos são claros e verdadeiros. Torna-se bastante evidente que não há quem esteja mais interessado no enfraquecimento (ainda maior) económico europeu que a China. Será isto uma guerra biológica?

Deixo a cada leitor espaço à reflexão dos factos aqui apresentados, avisando desde já que correm sérios riscos de chegar a conclusão alguma.