A gala que serviu de comemoração aos 110 anos desde do lançamento do primeiro guia ibérico aconteceu em Sevilha, depois do ano anterior ter passado por Lisboa. Não foi desta que um restaurante luso chegou ao patamar máximo de três macarons e três restaurantes perderam a estrela que mantinham. No entanto há pelo menos quatro novidades na categoria de uma estrela e uma na de duas estrelas. Na lista que se segue, conheça todas as novidades do Guia Michelin Espanha e Portugal 2020.

Uma estrela

Epur
Largo da Academia Nacional de Belas Artes, 14. Lisboa.

O chefe francês Vincent Farges (na foto, à esquerda) chegou ao nosso país em 2004 e apaixonou-se pelas suas gentes e terras. Após dez anos no Fortaleza do Guincho [uma estrela Michelin] e uma aventura breve num hotel nos Barbados, regressou a Portugal em 2018 para abrir o Epur, onde o produto português é o foco. O universo Michelin não é alheio a Vincent e esta primeira estrela a solo é a prova disso mesmo.

Vincent é apaixonado pelos produtos portugueses mas na sua cozinha não esquece a técnica francesa. Foto: Luís Ferraz

+ info

Chefe: Vincent Farges
Conceito: Cozinha de técnica francesa com foco no produto português
Menus: Essencial (35€) [exclusivo almoço], Petit Appétit (65€), 4 Momentos (90€), 6 Momentos (125€) e 8 Momentos (160€)

Fifty Seconds
Myriad by Sana, Cais das Naus, Lisboa.

O primeiro projeto de Martín Berasategui em Lisboa virou motivo de conversa logo desde a sua abertura — no fim de 2018 — não só pela qualidade apresentada mas também por ter o nome do chefe espanhol associado. O português Filipe Carvalho (na foto), pupilo de Martín há já vários anos, é o seu homem de confiança no alto da antiga Torre Vasco da Gama e com razões para isso. Está é mais uma estrela para a coleção de doze estrelas que Berasategui detém. E a gastronomia portuguesa agradece.

Filipe Carvalho é o braço-direito de Berasategui em Lisboa. Foto: Gustavo Ramos

+ info

Chefe: Martín Berasategui e Filipe Carvalho [chefe residente]
Conceito: A linha e essência de Berasategui, com clássicos do chefe basco e outras sugestões, inteiramente novas, pensadas em conjunto com o chefe português
Menus: Fifty Seconds (140€) e Degustação (170€)

Mesa de Lemos
Quinta de Lemos, Viseu.

A prova que o Guia Michelin começou a olhar para outras zonas do país que não os centros Lisboa e Porto firmou-se o ano passado, com a inclusão de restaurantes como A Cozinha em Guimarães e G em Bragança e, agora, com o reconhecimento do Mesa de Lemos, em Viseu. Diogo Rocha é jovem chefe que comanda a cozinha desde 2013 e cujo futuro já há muito se adivinhava promissor.

Resta dizer que além da vista para a natureza, o Mesa de Lemos tem uma outra particularidade interessante: apenas serve os vinhos produzidos na Quinta [de Lemos] onde está inserido.

Diogo Rocha chefia o restaurante Mesa de Lemos desde 2013. Foto: DR

+ info

Chefe: Diogo Rocha
Conceito: Cozinha de produto português com foco especial na região do Dão
Menus: Menu do Chefe (150€) e Menu Mesa de Lemos (80€)

Vistas
Hotel Monte Rei Golf & Country Club. Sitio do Pocinho, Vila Nova de Cacela.

A par de Ricardo Costa do The Yeatman, Rui Silvestre detém o título de mais jovem chefe (português) a receber uma estrela Michelin. O feito aconteceu em 2016 e, na altura, o chefe estava no Bon Bon, no Algarve. Após uma breve aventura em Lisboa, Rui viria a regressar à região algarvia para chefiar o Vistas e herdar o caminho traçado pelo anterior responsável de cozinha, Albano Lourenço. Na volta a casa, — há precisamente um ano — Silvestre aceitou o desafio de tornar a trabalhar os produtos da região, bem como, a natureza e o mar à sua volta.

Rui Silvestre ganhou a primeira estrela aos 29 anos, no Bon Bon. A segunda vem aos 33, desta vez para o restaurante Vistas. Foto: Humberto Mouco


+ info

Chefe: Rui Silvestre
Conceito: Cozinha de produto local algarvio com técnicas modernas
Menus: Fauna & Flora – 6 Momentos (100€), Passeio Marítimo – 7 Momentos (110€) e à la carte

Duas estrelas

Casa de Chá da Boa Nova
Avenida da Liberdade, 1681. Leça da Palmeira.

Rui Paula é uma das estrelas do ‘MasterChef’ português e, neste momento, tem muitas razões para sorrir. Três anos depois da primeira estrela para a Casa de Chá da Boa Nova — um projeto assinado por Álvaro Siza na década de 50 e posteriormente restaurado — o chefe portuense e a equipa comemoram a chegada do segundo macaron para o restaurante que há meses foi considerado o “mais bonito do mundo” por ninguém mais do que Ferran Adrià.

Rui Paula é um dos protagonistas do programa ‘MasterChef Portugal’ e conquista agora a segunda estrela, depois da primeira ganha em 2016. Foto: Rita Santana/Clementine Things

+ info

Chefe: Rui Paula
Conceito: O nome do menu e o espaço revelam as estrelas da carta: o peixe e o marisco português
Menus: ‘Por mares nunca antes navegados’ (6 Pratos [90€], 12 Pratos [120€] ou 21 Pratos [160€] momentos) e menu vegetariano