O chefe do restaurante Fifty Seconds by Martín Berasategui, em Lisboa, foi distinguido com o prémio Grand Prix de L’Art de la Cuisine, pela Academia Internacional de Gastronomia, que premeia jovens promessas da cozinha.

O chefe de 34 anos é o homem de confiança do espanhol Martín Berasategui em Portugal no Fifty Seconds, no hotel Myriad by Sana, desde a abertura do restaurante em novembro de 2018. Passado um ano, o restaurante viria a receber a sua primeira estrela Michelin. “É uma honra e uma enorme felicidade ser distinguido Chef de L’Avenir pela Academia Internacional de Gastronomia. Neste ano tão particular, o reconhecimento do meu trabalho e de toda a equipa, recebendo um galardão tão prestigiado, tem um significado ainda mais especial. Um sentido agradecimento ao Engenheiro José Bento dos Santos. Seguimos em frente, trabalhando todos os dias para fazer mais e melhor”, disse o chefe em comunicado oficial.

Por sua vez, José Bento dos Santos, membro da Academia Internacional de Gastronomia, justifica a escolha pelas “características raras” e o “talento nato” que Carvalho apresenta e que fazem dele “uma das maiores promessas no domínio da grande cozinha”.

Além de Filipe Carvalho, com o prémio Prix Chef de L’Avenir foram ainda reconhecidos mais oito chefes: Ralf Berendsen (La Source Bélgica), Begoña Rodrigo (La Salita, Espanha), Pablo Valdearcos (Al Margen, Espanha), Amélie Darvas (Aponem, França), Floriano Pellegrino (Bros, Itália), Rouba Khalil Traiteur (Rouba Khalil Kitchen, Líbano), Michał Stezalski (Szara Gęś, Polónia) e Carl Messick (Peter Shields Inn & Restaurant, EUA).

Noutras categorias, foram também distinguidos os portugueses João Henriques (Prix Aux Chef Pâtissier), pasteleiro na Éclair, em Lisboa, Carlos Monteiro (Prix au Sommelier), sommelier do restaurante Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira e Nuno Diniz (Prix de Literature Gastronomique), chefe do restaurante Revolução, em Lisboa, com o livro ‘Entre Fumos e Ventos’. Galardoada foi também a série da RTP1 “História da Gastronomia Portuguesa” (Prix Multimedia).

Relembre-se que ainda ano passado, José Avillez ganhou o Grand Prix de L’Art de la Cuisine, o suprassumo dos prémios da Academia Internacional de Gastronomia que distingue uma ou mais personalidades ou instituições de nível internacional no mundo da gastronomia. O chefe do Belcanto foi o primeiro português a consegui-lo e está atualmente inserido numa lista onde constam figuras da cozinha internacional como Ferran Adrià, Alain Ducasse e Joan Roca. Ao todo são 30 os países membros da Academia (que existe desde 1983), entre os quais Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Suíça.