Os presentes de natal que os chefes gostariam de receber

Alguns procuram ter tempo disponível para jantar no seu restaurante de eleição, outros preferem gastar o pouco que têm em viagens pelo mundo afora. Tudo para que possam complementar os seus conhecimentos em cozinha. Perguntámos quais os desejos natalícios de cinco chefes portugueses. Eis as suas respostas.

O desejo: Continuar a ser convidado para participar em eventos gastronómicos em Portugal e no estrangeiro
O chefe: Vasco Coelho Santos (Euskalduna e Semea, Porto)

O Natal é sempre uma ótima ocasião para juntar família e amigos e, assim, criar memórias futuras. Uma das preferidas do chefe, enquanto criança, era o momento em que chegava à mesa o prato de roupa velha confecionado pela sua mãe. Iguaria essa que continua a adorar. Para este ano, Vasco dispensa quaisquer bens materiais e deseja somente longa vida ao seu Euskalduna. Para o portuense, o seu presente de eleição seria mesmo o de “continuar a participar em eventos gastronómicos por cá ou lá fora”, bem como, “receber em 2019 ainda mais chefes para jantares a quatro mãos”. À parte disso, o chefe de 31 anos pretende também continuar a dar à sua equipa a oportunidade de participar nessas importantes iniciativas e, em conjunto, conseguir explorar novos caminhos e sabores.

O desejo: Uma refeição no Can Jubany, Espanha
O chefe: Tiago Santos (Quorum, Lisboa)

O desejo já é antigo, desde os tempos em que Nandu Jubany foi professor de Tiago, na formação de cozinha feita em Boston. “Acho que ele faz um trabalho muito interessante. A sua cozinha é genuína e rica em sabor”, comenta o chefe do Quorum, em Lisboa. À semelhança dos seus colegas, Tiago dá-se por satisfeito por poder passar as festas em casa, sobretudo perto dos membros mais novos da família. “O restaurante vai fechar alguns dias e vou aproveitar para estar com eles” garante. À sua mesa, acrescenta ainda, não vai faltar o prato de pescoço de borrego assado no forno, receita da avó do chefe.

Tiago Santos vai fechar o Quorum e aproveitar para passar o natal em casa. Foto: Humberto Mouco

O desejo: Uma viagem pelos países influenciados pela gastronomia portuguesa
O chefe: Gil Fernandes (Fortaleza do Guincho, Cascais)

Para conhecer a fundo a gastronomia de qualquer país há que, primeiro, descobrir as suas origens, tudo aquilo que deu início ao que hoje é declarado tradicional. O anseio de Gil Fernandes é o de, em 2019, mergulhar pelos vários recantos, outrora declarados portugueses, e que até aos dias de hoje guardam marcas profundas da gastronomia lusa. Tudo para oferecer à cozinha do Fortaleza do Guincho o melhor de Portugal à mesa. Mas antes dessas viagens acontecerem, o chefe de 29 anos espera desfrutar da quadra natalícia ao máximo, junto de quem lhe é mais querido. E, enquanto isso, garante que vai aproveitar para comer os finitos doces caseiros que lhe vão chegar no dia de Natal, diretamente da pastelaria dos pais.

O desejo: O novo livro do Hangar 7
O chefe: Filipe Carvalho (Fifty Seconds Martín Berasategui, Lisboa)

Para quem desconhece, Hangar 7 é o nome de um projeto ligado à marca Red Bull, localizado, como o próprio nome indica, num hangar de um aeroporto. Neste caso, no de Salzburgo, na Áustria. Ikarus é um dos restaurantes inseridos no espaço que se destaca pela sua oferta inusitada: todos os meses recebe em modo pop up vários chefes, vindos de todas as partes do mundo. No final do ano, todos esses acontecimentos são compilados em livro. “É um projeto que admiro bastante. É uma obra que faz sempre parte da minha lista de coisas a comprar”, revela Filipe Carvalho. O chefe do novo restaurante de Martín Berasategui em Lisboa mostra-se muito entusiasmado por este ano voltar a poder passar Natal em casa, em Aveiro. “Nos últimos quatro anos, estive fora do país a trabalhar. Estou ansioso para daqui a uns dias comer as rabanadas da minha mãe. São as melhores”, diz num tom divertido.

Filipe Carvalho mostra-se ansioso para comer novamente as rabanadas da mãe. Foto: Filipe Vera-Cruz

O desejo: Um jantar no Asador Etxebarri, Espanha
O chefe: Ricardo Dias Ferreira (Elemento, Porto)

Ricardo abre em janeiro o restaurante Elemento, no Porto, um espaço que vai seguir a recente tendência da cozinha a fogo. Por essa mesma razão, conseguir jantar no Asador Etxebarri, um dos restaurantes mais conhecidos a praticar esse tipo de cozinha, seria um sonho tornado realidade para o chefe de 31 anos. Devido à falta de oportunidade imediata de satisfazer essa vontade, o seu desejo de Natal passa por ter a oportunidade de usufruir da companhia dos seus familiares. “Nos últimos seis anos, o meu Natal foi passado na Austrália a trabalhar. Esta época festiva representa para mim um dia de reencontro e confraternização”, afirma.

Por |2019-01-04T10:37:53+00:0010:02, 22/12/2018|

Partilhar com um amigo