O restaurante O Paparico, no Porto, reabre as suas portas ao público dia 16 julho (quinta-feira) após quatro meses encerrado. A principal novidade do espaço chefiado por Rui Martins é que passa a funcionar apenas com menu à carta.

“Nunca fomos um restaurante estático, esta é mais uma situação em que tivemos de nos adaptar. São 12 anos de evolução. Este é O Paparico 12.0”, começa por dizer Sérgio Cambas, proprietário do restaurante, referindo-se àquela que será uma nova fase para o restaurante portuense após uma pausa forçada relativa à pandemia criada pelo novo coronavírus.

O responsável afirma que o Paparico reforçou as suas linhas de criação gastronómica assentes em quatro pilares criativos: o território “que representa a zona onde vivemos”, o produto “provindo do território, um pilar na criação gastronómica”, o receituário “um filtro criativo, uma formula de sabor” e a cultura “um conceito amplo e que liga as quatro peças do quadrado”.

Nesse sentido, a grande novidade nesta reabertura é que o restaurante deixa de trabalhar com menus de degustação para oferecer apenas opções à carta a fim de “deixar o controlo da experiência do lado do cliente”.

“A evolução já é algo inato em nós. Aproveitámos a pausa para repensar e descobrir caminho. Estamos cada vez mais a olhar para o produto, para a técnica e para o receituário contextualizando aquilo que é a cozinha portuguesa. Acredito que a nossa cozinha agora é mais objetiva e polida”, refere Rui Martins, chefe d’O Paparico desde maio de 2019 e vencedor do concurso Chefe Cozinheiro do Ano em 2016.

A carta de vinhos, essa, mostra agora “mais diversidade, riqueza e alguma rebeldia” com 1500 referências “para todos os gostos” e que acompanham a “riqueza de Portugal de ontem e do futuro” com a inclusão de vinhos biodinâmicos e vinhos de teste de produtores.

Apesar de este ser um ano desafiante para os restaurantes, Cambas avançou para a criação de um departamento de Investigação e Desenvolvimento, com a entrada para a estrutura do “talento” David Jesus, cujo último poiso foi o Diver XO — restaurante em Madrid com três estrelas Michelin do chefe David Muñoz. Sérgio descreve Jesus como sendo alguém “extremamente criativo, uma força da natureza” e que vai ajudar a solidificar a restante estrutura d’O Paparico e do Grupo Cambas, onde se incluem as Cervejarias Brasão (Aliados, Coliseu e Foz) e a padaria Granu.

O restaurante estará aberto apenas aos jantares, de terça-feira a sábado, das 19h às 23h. As reservas podem ser feitas através do renovado site d’O Paparico aqui.