Sem Espinhas: Carlos Fernandes

Carlos Fernandes, 27 anos, é um dos pasteleiros mais conhecidos da sua geração e o convidado que se segue na rubrica Sem Espinhas. Já quis ser astronauta e dedica-se, no (pouco) tempo livre que tem, a ver documentários sobre medicina, a colecionar peças de arte e a pintar retratos em tela.

Se não fosses pasteleiro o que terias sido? Tenho interesse por muitas áreas. Por um lado sempre quis ser astronauta, por outro artista. Curiosamente cheguei à pastelaria porque a dada altura também quis ser diretor de hotel.

Qual é aquela receita que nunca te sai bem? Arroz doce igual ao que a minha mãe faz. Ela já me ensinou mas não sai igual. Então, deixei de fazer.

Qual o ingrediente que levarias para uma ilha deserta? À partida teria fruta e peixe disponíveis. Para o sal poderia fazer uma redução da água do mar e depois deixar ao sol para cristalizar e o açúcar ia buscar à seiva. Por isso… batatas.

Qual é aquele ingrediente de que não consegues mesmo gostar? Nas sobremesas, não gosto de usar pepino. E não gosto de tudo o que tenha fígados, moelas e rins.

Qual foi a refeição mais estranha que já tiveste? Um kit kat debaixo de água, a 25 metros de profundidade, em Tenerife. É salgadinho.

A primeira vez que cozinhaste fizeste o quê? Não sei bem. Mas lembro-me de uma vez  tentar fazer hambúrgueres e temperá-los com todas as especiarias que tinha na dispensa. Ficou… especial.

Qual o maior erro que já cometeste numa cozinha? Tantos. A minha primeira grande asneira foi no primeiro estágio que fiz. Pediram-me que pesasse uma massa de waffles. Mas antes avisaram-me que a balança tinha um jeito especial. Eu esqueci-me disso na hora de colocar o fermento na mistura. Entretanto, deixei essa tarefa de lado e fui almoçar. Quando voltei, a massa tinha levedado e estava toda espalhada pela cozinha. Passadas umas semanas, fiz outra asneira. Deixei cair um contentor de 5 litros de nata cozida no chão. Essa foi difícil, eu é que tive de limpar tudo.

Que ingredientes improváveis resultam muito bem? Couve-flor e café.

Qual é o restaurante que gostavas de ter mas não é teu? Espai Sucre, em Barcelona. É um restaurante somente dedicado a sobremesas.

Qual o chefe em Portugal em quem confiavas a tua pastelaria por um dia? Diogo Lopes.

Além da cozinha, que outras paixões tens? Gosto muito de ciências, vejo muitos documentários de medicina, por exemplo. Mas também gosto bastante do mundo das artes, tanto que coleciono peças e também pinto em tela — na sua maioria, são retratos.

Por |2018-11-28T16:16:53+00:0010:49, 16/11/2018|

Partilhar com um amigo