José Lopes, com 30 anos, podia ter sido piloto de Fórmula 1 mas a cozinha roubou-lhe o coração. O chefe do Clube Lisboeta, em Lisboa, dispensa comer salmão mas é um confesso fã da combinação improvável de polvo com carré de cordeiro.

Se não fosses cozinheiro o que terias sido?
Gostava de ter sido piloto de Fórmula 1! Mas gora deixo as corridas para a cozinha.

Qual é aquela receita que nunca te sai bem?

Receitas de pastelaria. Nunca me sai à primeira, por isso tenho de as repetir até que cheguem ao ponto certo.

Qual o ingrediente que levarias para uma ilha deserta?

Sal, pois ajuda a conservar os alimentos.

Qual o ingrediente de que não consegues mesmo gostar?

Salmão, porque para mim já não é peixe. A não ser que seja garantidamente selvagem.

Qual foi a refeição mais estranha que já tiveste?

Foi um almoço que aconteceu no primeiro dia de 2017. Esperava que fosse algo incrível mas foi uma deceção.

A primeira vez que cozinhaste, preparaste o quê?

Quando tinha seis anos, fiz a feijoada mais falsa do mundo, mas era mesmo boa! Era algo que a minha mãe fazia ao domingo. Juntava feijão, atum e salsicha de lata, depois era só necessário cozer o arroz para acompanhar tudo.

Qual o maior erro que já cometeste numa cozinha?

Já cometi muitos e continuo a cometer. Incrivelmente, engano-me sempre a contar doses! Recorro sempre a alguém para me ajudar.

Que ingredientes improváveis resultam muito bem?

Polvo com carré de cordeiro. Apesar de não ter sido uma descoberta feita por mim, quando a sugeriram não acreditei que funcionasse. Depois de ter experimentado fazer, adorei o resultado.

Qual é o restaurante que gostavas de ter mas não é teu?

Asador Etxebarri. Fica entre Bilbao e San Sebastian, no meio do campo. É um restaurante onde tudo é feito no carvão.

Qual o chefe em Portugal a quem confiavas a tua cozinha por um dia?

O chefe Daniel Costa.

Além da cozinha, que outras paixões tens?

Fórmula 1, futebol e Bull Terrier.